Ser empresário não é fácil não, meu amigo e minha amiga..

AH, MAS É ÓBVIO!

Estamos falando aqui o óbvio para chegar no que é mais óbvio ainda, mais muita gente foge quando vira empresário, que é sair da zona de conforto.

Abrir uma empresa e ser gestor do seu negócio é complexo, é complicado, envolve uma série de conhecimentos, uma série de habilidades, informações e experiências que, muitas vezes, a gente não tem.

Quando os sócios Renan e Aleks abriram a 4blue em 2009, eles tinham apenas seus vinte e poucos anos e nada dessa bagagem. Tiveram que aprender na marra e, OBVIAMENTE, fazer coisas nesse processo que não gostavam.

É muito comum esse quadro acontecer dentro de um cenário empresarial:

A pessoa deixa de fazer o que precisa porque não gosta ou não tem facilidade com aquela tarefa e foca apenas no que gosta, aquilo que é confortável, gostosinho e por aí vai.

Mas se o que eu falei no começo é tão óbvio, deveria ser óbvio também que um negócio não é feito apenas do que gostamos.

Você deve acompanhar notícias de pequenas empresas por aí: mais da metade quebra em menos de 2 anos; quando vai para 5 anos, esse dado aumenta drasticamente, e muitas que sobrevivem por mais de 5 anos, às vezes, só sobrevivem mesmo, estão até inativas.

Por que algumas empresas dão tão certo e algumas dão tão errado?

Fazer o que é fácil, o que está na área de conforto, é você ficar na média.

Ficar na média significa que você não vai crescer, não vai evoluir, não vai ser melhor.

Às vezes, ouvimos as pessoas reclamarem: Ah, minha concorrência faz isso, minha concorrência faz aquilo…  E você está fazendo o que? NADA!

Reflita nessa pergunta: será que você está fazendo aquilo que deveria ser feito como um empresário de verdade?

Gerir uma empresa significa cuidar muito bem do dinheiro dela, cuidar muito bem das pessoas que trabalham lá…

“Ah, meus funcionários são horríveis”

Culpa de quem? De quem contratou, de quem fez o processo seletivo, de quem não deu o treinamento, não deu um processo para eles seguirem.

Agora, se você fez tudo isso e não tem jeito, seu funcionário é ruim, demite e contrata outro… ASSUMA A RESPONSABILIDADE DO SEU NEGÓCIO SEMPRE.

Quando você joga para os outros a culpa dos problemas que acontecem dentro da sua empresa, você fica sentado esperando, na zona de conforto.

Quando você assume a responsabilidade, sai da zona de conforto e cria sua própria realidade.

Suas ações têm levado você cada vez mais pra dentro ou pra fora da zona de conforto?

Um exemplo aqui na própria 4blue.

Sempre fomos muito bons em números, em estratégias, em dinheiro, em gestão do dinheiro… mas a gente nunca foi muito bom em Marketing.

Obviamente porque não era a nossa habilidade, não era fácil para a gente.

Desde 2012 mais ou menos, investimos constantemente em treinamento, capacitação e pessoas (porque não é só você que vai fazer o que precisa ser feito, você não consegue fazer sozinho, precisa de alguém capacitado ou capacitar alguém da sua equipe pessoa. Seu papel é acompanhar e gerir o que ela fizer dentro da sua área).

Saber quando é hora de reunir reforços também é ser empresário, ser Gestor, faz parte e é desafiador.

Mas é extremamente gostoso quando você perceber os resultados acontecerem automaticamente.

Não tenha medo de sair da sua zona de conforto. Tema ser engolido por não saber como crescer.

Todo negócio precisa lucrar mais.

E todo empresário precisa sempre estar focado em lucrar mais.

Essencialmente, para lucrar mais, o negócio precisa faturar mais ou gastar menos.

E uma das formas de fazer isso é sendo mais produtivo no seu negócio.

SER PRODUTIVO NO SEU NEGÓCIO SIGNIFICA VOCÊ FAZER MAIS COM MENOS.

E você não conseguirá fazer isso se não adotar a regra básica da produtividade.

Aquela história de fazer limonada com os limões que a vida dá, sabe?

Acontece que todo empresário sempre tem muitos limões e geralmente faz malabarismo com eles.

São centenas de limões pra gerenciar todos os dias, ou seja, centenas de atividades que ele tem que pensar em fazer e, por isso, não consegue ser produtivo.

NÃO DÁ PRA AGIR EFETIVAMENTE QUANDO SEU FOCO ESTÁ NO AR, NAS COISAS QUE VOCÊ NÃO PODE ESQUECER DE FAZER

É praticamente impossível pensar claramente e agir de outra forma quando você tem todos os pontos da sua empresa nos ares, focando sua atenção apenas em não deixar nenhum deles cair no chão.

Enquanto você estiver fazendo malabarismo, você não conseguir fazer seu trabalho de maneira produtiva.

E quando você não é produtivo, você tende a não conseguir aumentar o faturamento, nem consegue reduzir custos.

Uma dica que aprendemos e aplicamos aqui é: CRIE UMA LISTA DE AFAZERES.

Parece uma dica muito básica, muito óbvia, mas tem muita gente que não faz e nem sabe como isso ajuda!

Já deve ter acontecido com você de, por exemplo, na hora do banho e fazendo malabares mentais, lembrar que precisa pagar uma conta. Mas na hora que sai do banho, já esqueceu.

Daí, quando você volta pra sua rotina, essa bolinha do malabarismo mental pula de novo na sua frente e, novamente, você lembra que tem que pagar a conta. Mas, outra coisa pula na sua frente rapidamente e você esquece mais uma vez.

Isso acontece quando você não tem uma boa organização de atividades e, por isso, fica guardando essas coisas na cabeça, porque você sabe que elas são importantes e você não deve esquecer dela.

Mas quando isso acontece, você não foca nem no que você precisa e nem realiza uma ação efetiva para aquilo ser executado.

Vira uma PREOCUPAÇÃO que, no fim das contas, vai contribuir para aumentar seu estresse.

Tira da sua cabeça e coloca num papel, em um software, bloco de notas, sei lá…

Ao invés de pensar, registre a tarefa que precisa ser importante e, só de fazer isso, você terá menos UM LIMÃO no seu dia para administrar. Na hora certa, aquela tarefa será executada e você não precisará se preocupar com isso fora da hora.

É uma dica muito simples de produtividade e que funciona a curto prazo.

Pare de querer fazer várias atividades de cada vez e isso fará você ser mais produtivo dentro do seu dia a dia e dentro do seu negócio.

Opaaa… Aqui é o Renan Kaminski e o post de hoje é um relato pessoal.

Ouço muito empresário falar (às vezes, com um certo orgulho) que não tira férias, que não tem tempo pra viajar…

E dispara um SINAL DE ALERTA muito forte em mim… porque eu já fui esse tipo de empresário.

Por 2 motivos:

1 - Se você não tem tempo nem dinheiro para tirar férias, tem alguma coisa muito errada com a gestão da sua empresa.

2 - Se você não acha que merece ter um tempo pra você e pra sua família, tem alguma coisa muito errada na sua vida.

Hoje, eu sei como é IMPORTANTE ter autonomia de tempo inclusive para descansar.

Às vezes, é quando você se afasta da sua rotina que surgem novas ideias para resolver um problema ou trazer novas formas de negócio.

Mesmo que não sejam 30 dias, TIRE UM TEMPO PARA VOCÊ.

Quero contar aqui sobre a minha última viagem… no meu caso, foi a realização de um sonho.

Eu e minha linda Mathisa tiramos duas semanas de férias. 20 dias pela Europa.

Roma, Atenas, passadinha por Como (norte da Itália) e por Lucerne (sul da Suíça), Paris, Caen (norte da França) e Veneza.

Ufa! Você pode pensar que foi muita coisa e, de fato, foi, rs.

Mas como foi a primeira viagem pra Europa, deu bastante certo!

Vou deixar abaixo algumas dicas pra sua primeira ou próxima viagem pra Europa (ou pra qualquer outro lugar).

E também dizer exatamente quanto custou essa viagem

Vamos às dicas:

Primeiro: decida viajar.

Arranje um motivo, uma desculpa, algo que te dê aquela coragem pra sair do “ah como eu queria” e ir pro “eu fui!”.

Nosso motivo foi bobo: apostamos que iríamos conhecer o país que ganhasse a copa 2018. França ganhou. Pronto, meta definida.

“Ain Renan, não gosto de viajar, não me interessa...”

Olha... pode até ser verdade. Mas sinceramente? É provável que seja alguma crença negativa sua que não te deixa se sentir merecedor ou capaz de viajar, tirar férias, etc...

De coração, presta atenção nisso 😉

Tenha datas flexíveis, se possível.

Parte relevante do custo da viagem são as passagens até o local.

Nós conseguimos uma passagem muuuito barata.

Eu me cadastrei no site “passagens imperdíveis”. Cadastrei o e-mail, notificação no desktop e notificação no celular. Assim comecei a receber as dicas de passagens promocionais.

Um belo dia veio o anúncio "CORRE! Ida e volta pra Roma + Milão por 1.150."

(o preço normal estava na casa de 1.700-1.800)

Nessa hora você pára tudo e vai garantir sua passagem. Essas promoções duram minutos, então já tenha os documentos em mãos, e saiba exatamente quais datas você pode e quais não pode.

- Gastar em Euro dá uma tristeza, mas é possível minimizar isso

Eu paguei 4,49 na conversão de Euro em dinheiro vivo e uns 4,90 no cartão de crédito.

(sim, doloroso)

Para sofrer menos, organize seu orçamento em Euro e não em real. Pra hospedagem, pra comida, passeios, etc...

Por que?

Porque assim você sai da nóia de “meu Deusss, 10 reais um cafezinhoo”. Não são 10 reais, são 2 euros.

Então você sabe, por exemplo, que tem 50 euros no dia pra alimentação e aí baseia suas decisões nisso.

Mais abaixo volto a falar sobre o orçamento...

- Dinheiro ou Cartão

Como você viu, a conversão no cartão de crédito invariavelmente é mais cara por causa do IOF.

Além das coisas que compramos antes no cartão (passagem, hospedagem e até alguns passeios), nós levamos 1500 euros em espécie.

Em termos de economia era melhor ter levado mais, mas pensamos na segurança (não é porque é Europa que não tem disso. Em vários lugares havia avisos pra tomar cuidado com "pickpockets", os “bate-carteira”).

Mas no final da contas eu teria levado um pouco mais de Euro em espécie.

- Itália e França

A Itália pra mim foi o máximo.

Roma é incrível, com seus predinhos quadrados, um grudado no outro, todos com poucos andares e com várias ruazinhas super apertadas. Além claro, de todo prédio / monumento histórico que você se depara a todo tempo.

Eu não dava muita moral pra Veneza, mas ela é absolutamente incrível também

Paris é um pouquinho caótica. As coisas são longe, você tem que pegar metrô pra se locomover.. parece uma São Paulo da vida.

É muito bonita, claro, a Torre a noite é sensacional, mas #SouMaisItalia

- Suíça

Fizemos um bate-volta no norte da Itália, cidade de Como (maravilhosa) e na Suíça, cidade de Lucerne.

Nosso vôo ia pra Milão e a Suíça é logo ali (2h de carro), fiz questão de ir lá.

Bom... O Europeus consideram a Suíça cara, então imagina...

Só pra poder andar de carro nas estradas da Suíça você tem que pagar uma taxa anual de 40 euros, que é tipo um pedágio deles.

De qualquer forma, como foi pouco tempo lá, não vou opinar se vale a pena ou não – apenas que esteja preparado pra gastar bem, hehe

- Nem tudo são flores nessa vida.

Na França vimos alguns avisos sobre o que fazer em caso de atentado terrorista.

Na estação de trem e em museus havia avisos sonoros para não deixar malas abandonadas.

Tenso.

Atenas talvez tenha sido a cidade menos desenvolvida que visitamos.

Em Roma não lembro de ter visto nenhum morador de rua.

Já em Paris havia “bastante”. Bastante na França = muito menos que no Brasil.

Paris e Caen (França) na verdade foi o único lugar que passamos um certo receio com pessoas estranhas e mal encaradas a noite.

Hospedagem

Parte relevante do custo total é com hospedagem.

Nós ficamos metade em hotel e metade em Airbnb. Tem que pesquisar bem.

Em Paris, por exemplo, conseguimos um apart hotel mais pertinho da torre e mais barato que vários Airbnbs.

Essa é a parte mais chata do planejamento da viagem, em minha opinião.

Mas como representa pelo menos 20% da viagem (para nós foi isso), tem que ser bem feito.

Obrigado a Mathisa que planejou quase tudo sozinha

Água

Na França é super comum você pedir "tap water", ou seja, água da torneira. É excelente pra economizar. Jamais pague por água em garrafa lá, hehe

Já na Itália não funcionou tão bem. Na real, na Itália e em Atenas em muitos lugares o garçom já chegava com uma garrafa de 1 litro de água na mesa. Excelente forma de incentivar a venda.

Ahh, por toda Roma há fontes de água potável. Então, leve sua garrafinha e vá reabastecendo ao longo do dia.

Os chuveiros europeus são estranhos.

Em todos os airbnb que pegamos, a água quente tinha uma autonomia de 10-15 minutos. Ou seja, se os dois tomassem banho logo na sequência, um ia ficar com água gelada, rs (sim, aconteceu)

Walking Tour

Uma coisa que infelizmente só fizemos em Veneza (última cidade), mas que vale muito é o Free Walking Tour. Toda cidade turística vai ter.

É um guia local que vai caminhando com um grupo e explicando sobre a cidade.

Ele é"free" mas na verdade é uma contribuição voluntária ao final.

Se você amar dá mais dinheiro, se não gostar dá menos dinheiro. Justo.

Comida

Europeus que me desculpem, mas comida boa mesmo é no Brasil!

Foram poucos os lugares que nos deliciamos verdadeiramente com a comida.

Com certeza em Atenas (Grécia) foi onde comemos melhor. Nossa, saudade da comida grega haha

E a pizza brasileira é melhor que a italiana! #ProntoFalei

Ahhh, mas os pães franceses são incríveis!

E os croissants?! Uau! Se houver algum nutricionista aí que tenha a dieta do croissant francês me avisa! Hehe

Só pra você ter noção...na Itália você encontra pratos de massa e pizza por 10-12 euros.

Já na França um prato simples sai um pouquinho mais.

O que de fato achei barato eram os queijos. Comprei um queijo Grana Padano por 11 euros o quilo. Mesmo convertendo fica uns 50 reais o quilo. Aqui no Brasil você paga quase 150!

Para os ignorantes de vinho, assim como eu, nos restaurantes você encontrava taças de “vinho da casa” por 5 euros na média. Na maior parte das vezes deu certo.

* Ao final descobrimos que esse é o preço que turista paga. Em lugares menos turísticos você encontra de 2 a 3 euros a taça.

             

Voltando aos números...

Nossa distribuição de gastos ficou assim:

Quase 30% foi para “Passeios e transporte interno”. Transporte interno considerei metrô, táxi, translado do aeroporto, etc.

(Já já conto qual foi o passeio mais desnecessariamente caro de todos.)

Comida e hospedagem são campos de gasto infinito, principalmente quando o gasto é em euro e qualquer 10zao vira quase 50 reais.

Nossa viagem era de passeio, pra conhecer os lugares. Então hospedagem podia suprir o básico (cama e chuveiros bons) e gastronomia não era a prioridade 1.

Ainda assim juntos foram 44% do orçamento.

Para Atenas e para Paris nós usamos as companhias de baixo custo Ryanair e Easy Jet.

Roma-Atenas saiu 40 euros ida e volta por pessoa. Milão-Paris 60. É bem barato!

“Renann, e no final das contas quanto vocês gastaram?!?!”

Já vou dizer, hehe...

Antes: o gasto mais desnecessariamente caro.

Estávamos em Paris e eu fiz a bobeira de conferir se nós estávamos dentro do nosso orçamento.

Eu sabia que estávamos, não sabia exatamente quanto.

Como estávamos anotando todos os gastos num caderninho (fica dica), fizemos a contabilização.

Pois bem, estávamos muito bem no nosso orçamento.

Pra quê né?

No mesmo dia passeamos pela região do Moulin Rouge, antigo “cabaré” parisiense.

Passamos ali, olhamos o preço, achamos caro, continuamos andando.

Aí bateu aquela coisa.. “será?”

Como o poder da escassez é grande (o show era em pouco tempo, último dia de Paris...), resolvemos ir!

145 euros pra entrar. Por pessoa! Cerca de 1,5h de show.

Admito que foi muuuito legal o show, acima do que eu esperava.

Mas por mais que eu tenha dito pra não converter os valores, dá uma dorzinha de ver 290 euros se transformarem em +1400 reais no cartão, hehe

Pra comparação: subir na Torre Eiffell custa 25 euros por pessoa. Passeio com guia no Coliseu 60 euros.

Enfim... rs

Qual a conta no final de tudo?

Cerca de 29.500 reais.

Para duas pessoas, 20 dias, 7 cidades, 4 países.

Podia ter sido menos, podia ter sido muito mais.

Muito mais barato do que ir via agência de viagem. Mas muito mais trabalhoso também. Pra quase tudo, ou você dedica tempo, ou tem que pagar pra alguém dedicar pra você, não é mesmo?

Eu gravei um áudio sobre como você pode planejar financeiramente sua próxima viagem.

Você pode acessar esse áudio 🔈 clicando aqui  🔈

Você será direcionado para o Messenger do Facebook e lá vai receber o áudio =)

Como esse e-mail já ficou grandão, rs, resolvi complementar ele em áudio.

E aí, gostou desse post?

Me conta sobre sua próxima viagem 😉

Abraços!!!

Renan Kaminski (já com saudades da Europa)

Cheque Especial é uma das piores coisas num banco para o seu cliente.

Seja para Pessoa Física, seja Pessoa Jurídica, seja o cachorro que tem uma conta no banco, não importa.

Cheque especial é uma das maiores tragédias e as pessoas acham que não.

Muitas vezes, acha-se que o cheque especial é a salvação do tipo: “Deus, eu estou sem dinheiro para pagar essa conta, ainda bem que eu tenho cheque especial”.

Se você já usou o cheque especial pensando dessa forma, pensa comigo: valeu a pena?

Quanto tempo você demorou para sair do cheque especial? (se é que você saiu).

Qual foi o custo real disso? - Ou seja, os juros que você pagou para entrar e usar o cheque especial.

O cheque especial é um bicho maligno, realmente.

Nada mais é do que um empréstimo

E pela facilidade disponível para qualquer um conseguir, por estar ali na sua conta corrente e você conseguir tirar o dinheiro sem precisar falar com gerente nem nada, o custo futuro dele fica escondido (mas é alto, realmente alto).

“Mas eu preciso de cheque especial, se não fosse o cheque especial, eu não ia conseguir pagar determinado fornecedor, ou determinada conta”...

O ponto é: se você não tivesse o cheque especial, você daria um jeito.

Se você tem R$ 1.000,00 de limite, você usa R$ 1.000,00 de limite.

Se você tem R$ 5.000,00 de limite no cheque especial, você vai usar R$ 5.000,00.

O ponto está na gestão do dinheiro.

Se você quiser fazer um teste, faça o seguinte:

Pegue R$ 200,00 coloque na carteira e veja quanto tempo dura esse dinheiro lá.

Você vai  numa padaria ali, você vai comprar um doce aqui, você vai fazer não sei o que ali… só que, se você não tivesse esses R$ 200,00, não teria comprado nada disso.

Os bancos foram extremamente inteligentes.

O cheque especial foi feito para ser algo fácil e, às vezes, muita gente usa sem ver porque não confere lá na conta corrente se tem dinheiro ou não.

Simplesmente usa, usa, usa e quando cai no cheque especial, nem percebe.

RESUMINDO: NÃO USE.

Não use cheque especial. Nem um pouquinho. Nem se for caso de vida ou morte.

“Ah... mas é muito difícil”.

Mais difícil ainda é sair dele.

Vai por mim: corte, elimine o cheque especial das suas possibilidades.

Você, como empresário (e como pessoa física também) tem que viver de acordo com a sua realidade.

O caminho para você não entrar nesse círculo vicioso que é o cheque especial é a Gestão correta do seu financeiro.

Quem realiza o controle de entradas e saída corretamente…

Quem conhece bem o ponto de equilíbrio do seu negócio…

Quem faz previsão e alimenta seu fundo de emergência JAMAIS precisará usar um cheque especial por 2 motivos:

1 - Você estará preparado para eventualidades

2 - Você saberá exatamente o quanto DÓI no seu bolso pagar pelos juros desse empréstimo disfarçado de benefício.

Se você não usa cheque especial, NÃO USE.

Se você caiu na cilada, comece agora a se organizar para sair dele. E conte com a 4blue para isso =)

Falir é o terror de todo Empresário. Mas fechar os olhos pra isso é correr ainda mais risco.

Existem muitas coisas que é melhor fazer de olhos fechados (como meditação, beijar, dormir e etc)...

Em outros casos, é fundamental estar de olhos abertos (para andar, dirigir, descer uma correnteza com duas crianças em um caiaque etc.)

Você pode estar pensando:

"O que diabos isso tem a ver com minha empresa?"

Bem.... na verdade, eu quero saber como você está gerindo a sua empresa: de olhos abertos ou fechados?

(Isso é, metaforicamente falando)

Você enxerga o que realmente acontece com seu negócio?

Pra onde você está indo?

Seus funcionários estão felizes?

Qual foi seu lucro?

Quais são seus planos de 6, 12 ou 18 meses?

Parecem perguntas pouco práticas, mas na verdade, sem esse PENSAMENTO ESTRATÉGICO, você pode ser pego de surpresa.

Mais do que não fechar os olhos, é essencial QUERER VER os rumos que sua empresa pode pegar.

A 4blue vem crescendo muito ano após anos. E em nosso último planejamento estratégico, fizemos atividades pensando em como seria nossa empresa em 2024.

Imaginamos tanto de como crescer ainda mais...

E também, o que faria nos faria quebrar.

Foi revelador ver que alguns pontos cruciais aparentemente distantes poderiam nos alcançar se não tomássemos algumas providências.

Por exemplo, se não tivermos um time engajado, talvez gastaremos um recurso não previsto com mais contratações, treinamentos...

Se não olharmos pro sucesso do cliente, talvez nosso produto se torne obsoleto...

São coisas que precisam ser vista e corrigidas o quanto antes... porque quando a água bate, pode ser tarde demais.

Mesmo com nossa empresa crescendo ano após ano, nos preocupamos em saber como continuar fazendo ela crescer.

Estamos sempre com olhos abertos para oportunidades e ameaças.

E estamos nos preparando para cada uma delas.

É isso que faz a nossa empresa ir mais longe.

INFELIZMENTE, VEMOS MUITOS EMPRESÁRIOS FECHANDO OS OLHOS PARA SEUS NEGÓCIOS.

Acordam cedo, dormem tarde, não tiram férias.

Trabalham MUITO DURO, mas trabalham para aquele único dia.

Para resolver problemas pontuais, coisas imediatas, apagar incêndios...

Sem pensar no amanhã. Sem pensar no ano seguinte.

E como empresários (e pessoa física, também) precisamos ir além.

Precisamos PLANEJAR o que fazer.

Lembre-se da seguinte frase (se puder, anote e deixe próximo ao seu computador ou um local que você sempre veja):

Operacional faz uma empresa funcionar; estratégia faz uma empresa crescer.

Agora, pare por um momento e analise: você está mais focado em qual tipo de atividade?

Talvez seja o momento de parar e melhorar seus processos, seu marketing, sua gestão como um todo.

Hiper produtividade não é fazer mais, é fazer diferente e melhor.

Por Felipe Charão | Consultor 4blue

 

Antigamente, diziam que a pressa era inimiga da perfeição.

Hoje, nem todo mundo concorda com isso.

A nova ordem é conseguir fazer mais e mais rápido!

Principalmente, quando você coloca todos os seus recursos dentro de um novo projeto (como um negócio próprio) e precisa que ele dê resultados “pra ontem”.

Mas a verdade é que o trabalho produtivo é aquele que você faz para ser eficiente, mas muito melhor seria se ele fosse eficaz.

 

Para mostrar a diferença entre EFICIÊNCIA e EFICÁCIA, imagine o seguinte cenário.

 

Sua casa suja demais, requer constante manutenção e, como solução mais óbvia, você teria que passar várias horas da sua semana limpando-a.

Como você poderia ser mais EFICIENTE na limpeza da casa?

 

Vamos pensar...

 

Você poderia comprar um aspirador de pó? Sim, é uma boa.

Você poderia comprar uma vassoura mais larga (dessas de pelinho que usam em supermercado... que varre uma área maior? Sim, também funciona.

Nestas duas soluções, você estaria realmente sendo mais EFICIENTE, porque as duas permitem você fazer a tarefa de "limpar o chão" mais RAPIDAMENTE.

 

Porém, você pode optar por uma outra abordagem completamente diferente.

 

Você pode estabelecer uma regra para todos da sua casa (um novo processo) exigindo que, ao entrar em casa, todo mundo tem que tirar o sapato e colocar uma pantufa.

Essa solução é a que eu considero uma solução EFICAZ.

 

A beleza dessa solução é que você REENQUADROU O PROBLEMA.

 

Na primeira abordagem, o problema era "como limpar mais rápido".

Na segunda abordagem (das pantufas), o problema era "a sujeira no chão".

 

E por encarar mais "objetivamente" o problema (que afinal é o problema real que você quer resolver), você encontrou uma solução mais ESTRATÉGICA.

 

ACELERAÇÃO DA DEPRESSÃO E NEM SEMPRE DA SOLUÇÃO

 

Vivemos numa era em que todos estão hiper acelerados.

As pessoas estão ansiosas, angustiadas, afobadas, tomando decisões precipitadas, irrequietas...

 

Parece que o "o transtorno de déficit de atenção e de hiperatividade" é o novo padrão.

E, às vezes, parece até que pessoas assim são admiradas...

Sobretudo os empresários.

Eles estão se mexendo demais e tendo resultado de menos.

 

Eles só tentam ser mais eficientes, sem entenderem que também é fundamental buscar formas de ser mais eficaz.

Sim, é preciso ter os 2: eficiência e eficácia...

Mas cada vez mais acredito que é preciso desacelerar para conseguir ir mais rápido ou ter mais resultados.

 

Eu chamo isso de HIPER PRODUTIVIDADE COM CALMA

 

Esse tem sido meu novo mantra. Repito isso para mim mesmo todos os dias. E vejo que isso me leva muito mais longe e com muito menos estresse.

E agora, quero passar para você 5 chaves que eu considero sagradas para quem quer realmente ser hiper produtivo em todos os sentidos.

 

1 - PENSE E TRABALHE ESTRATEGICAMENTE

De vez em quando, eu encontro empresários que se orgulham da sua carga de trabalho.

Eles batem no peito orgulhosos e dizem “hoje trabalhei 12 horas… tive um dia super produtivo”.

Aí eu pergunto, "e nessas 12 horas, quantas atividades estratégicas você fez? Você fez alguma melhoria em algum processo, treinou alguém, visitou algum concorrente?”

Não… Nada… Bulhufas...

Minha dica é: não meça sua produtividade com horas trabalhadas.

O jeito certo de medir sua produtividade é por quantidade de tarefas executadas.

E mais especificamente, você tem que medir a quantidade de atividades ESTRATÉGICAS executadas. Aí sim você tem um bom termômetro.

 

Aqui na 4blue nos temos uma ferramenta chamada IEPE, que é o Índice de Execução e Projetos Estratégicos.  

Semana a semana, lançamos as atividades que precisar ser feitas, com um prazo e um responsável pela tarefa.

Na semana seguinte, fazemos uma reunião que sempre segue a mesma pauta.

Perguntamos: “quais foram as tarefas programadas que fizemos”... e damos “sim” ou “não” para cada uma delas.

E no final da reunião a gente define “quais são as tarefas para a semana seguinte?".

E lançamos a programação lá.

Com essa informação automaticamente temos um Índice de Execução por colaborador.

 

Mas o genial dessa planilha é que entram lá somente atividades estratégicas: aquelas que levam a empresa a crescer. Não ficamos contabilizando as atividades operacionais do dia-a-dia da empresa.

 

2 - GASTE POUCO, ERRE RÁPIDO E MUDE

Um dos livros relativamente recentes que tem influenciado a maneira de pensar a estratégia na área da administração é o "A Startup Enxuta" do Eric Ries.

 

Existe um ensinamento genial que esse conceito de startup trouxe que diz o seguinte:

1) gaste pouco

2) Erre rápido (o quanto antes testando seu protótipo e também, sobretudo, testando a sua oferta de venda)

3) E pivote.

 

Pivotar quer dizer simplesmente: mude de direção.

O autor também fala da importância de fazer um MVP: o Mínimo Produto Viável.

Ao invés de você ficar um século desenvolvendo uma ideia que depois o mercado de repente nem vai gostar, você tem que criar um protótipo o mais simples possível, com as funcionalidades mais básicas e colocar pra rodar, para as pessoas testarem.

E até mesmo para receber feedback, ver se as pessoas realmente estão dispostas a pagar por aquilo.

Isso é fantástico. E qualquer empresa, mesmo que não seja da área de tecnologia, ou trabalhe com a internet, pode usar essas ideias.

 

Se você tem um restaurante, antes de reformular todo seu cardápio, teste. Você crie o prato novo e oferece por uma ou duas semanas.

Se você tem uma ideia de produto ou serviço novo para sua empresa, você pode criar uma página na internet, depois criar um anúncio no google. E testa. Isso é muito fácil de fazer. É super barato.

 

3 - FAÇA COMO SE FOSSE A ÚLTIMA VEZ

Uma vez eu conversei com uma especialista em Qualidade Total que tinha trabalhado anos nesse setor dentro de multinacionais.

Ela falou meio que de brincadeira para mim uma frase que eu nunca esqueci: “Felipe… o meu segredo é que eu sou preguiçosa. E por isso, eu tento fazer muito bem feito para nunca mais ter que refazer aquilo”.

 

É claro que ela estava brincando, ela era uma excelente profissional.

 

O que ela estava me dizendo que é: se você quer realmente aumentar sua produtividade, se você realmente quer liberar seu tempo, você tem que fazer tudo que você faz como se fosse a última vez.

Eu vou dar exemplos para deixar isso mais claro.

 

Um colega aqui na 4blue tomou uma decisão brilhante. Agora toda vez que alguém pergunta algo para ele, ele explica gravando a tela do computador e mostrando para a pessoa com se faz.

Hoje em dia isso é super fácil de fazer. Por exemplo, tem um app chamado LOOM que você só precisa adicioná-lo como uma extensão no Chrome, clicar nele toda vez que precisa capturar sua tela e pronto! Ele grava com facilidade e depois gera um link pra você compartilhar seu vídeo.

 

Eu tenho um cliente que está criando para a empresa uma coisa fantástica que a gente chama em administração de Planos de Contingência.

Vou dar o exemplo real do que ele fez: ele criou um passo a passo chamado “O que fazer quando as vendas estão baixas”.

Como ele vende produtos online, ele tem uma receita para contornar isso: em primeiro lugar ir no google analytics ver tal coisa, depois verificar a taxa de conversão disso, e assim por diante.

O documento todo dele é no formato “se isto, então aquilo”. Isso é genial!

O objetivo dele é ele se retirar da equação e ensinar outros a resolver os problemas mesmo um pouco mais complexos. E com o tempo ele vai expandir esses Planos de Contingência para outros setores.

 

Então resumindo tudo que eu falei nesse tópico: invista tempo agora para não ter que perder tempo no futuro.

 

4 - TENHA HORROR AO RETRABALHO

E mais do que isso: ensine seus colaboradores a terem horror a retrabalho, usando essa palavra no dia a dia e conscientizando as pessoas que isso é uma âncora que afunda a produtividade e a lucratividade da empresa em última instância.

Como fazer, na prática, para diminuir os índices de retrabalho na sua empresa?

Preste atenção porque essa lista aqui vale ouro:

 

4.1) Especifique melhor

Sempre que você ou um colaborador seu for pedir algo, tome mais cuidado em registrar as especificações do que você está pedindo. Manda por email, faz assinar um papel, manda por whatsapp... deixe registrado de algum jeito.

 

4.2) Reconfirme

Só porque você especificou bonitinho, explicou, registrou por email, não quer dizer que a pessoa vai fazer certo. É incrível o poder da distração. Peça para a pessoa confirmar as especificações que você enviou, uma por uma.

 

4.3) Benchmarking

Se é algo importante que você está fazendo, para não ter que fazer de novo depois, primeiro invista um tempo pesquisando como seus concorrentes fazem aquilo. Pode ser só pela internet mesmo. Você não precisa reinventar a roda. Descubra quais são as melhores práticas e copie mesmo, na caruda. De tempos em tempos, gostamos de contratar uma pessoa que trabalhou num concorrente até para ouvir como as coisas funcionavam no antigo emprego dela. Não seja ingênuo: todo mundo faz isso. Copie mesmo se for uma boa ideia, mas copie melhorando.

 

4.4) Proíba a multi-tarefa

As pessoas estão ficando muito distraídas porque elas estão viciadas em fazer mil coisas ao mesmo tempo. Você precisa incentivar e treinar sua equipe a fazer uma coisa só de cada vez. Toda tarefa tem que ser encarada como uma oportunidade de você treinar seu foco único e a sua atenção.

 

4.5) Invista em durabilidade, resistência e praticidade

Tudo que você comprar na sua empresa, pense com muito cuidado. Não basta ser funcional. Eu costumo dizer: se não é durável, resistente, estável, se não é algo que já foi testado e funciona de forma simples, você não está comprando uma solução, você está comprando uma dor de cabeça. Pare de comprar dores de cabeça…

 

4.6) Valorize a indicação

Se for possível, antes de testar um novo sistema, um novo processo, contratar um fornecedor ou comprar alguma coisa, fale com alguém que já fez isso antes e que você confia. Um simples telefonema pode te poupar muitas horas de retrabalho. Cada vez mais eu faço isso: eu tento aprender com o erro dos outros e não só com os meus próprios.

 

4.7) Crie pontos de dupla checagem

Sobretudo para as atividades críticas do seu negócio, é fundamental você desenhar o processo pensando em pontos de verificação. Pontos de dupla checagem: momentos em que uma terceira pessoa fácil e rapidamente faça uma auditoria e confirme que está tudo certo. Isso é mais fácil de fazer do que você imagina.

 

Está tudo bem errar. Mas não está tudo bem não fazer o seu melhor.

Lembre sempre disso: o melhor problema é aquele que nem chega a acontecer.

 

5 - DECIDA LENTAMENTE, IMPLEMENTE RÁPIDO (NEMAWASHI)

Eu sempre tive uma tendência para decidir rápido demais, decidir de forma precipitada. Atropelar as coisas.

Mas depois de fazer muita burrice, você começa a ficar com medo de tomar decisão burra de novo

Não a ponto de paralisar, porque isso também não é legal. Mas hoje eu sou muito mais cuidadoso com as minhas escolhas. Eu penso muito mais antes de agir.

 

Os japoneses especialistas em Qualidade Total (que a gente vai estudar mais para frente) tem um nome bacana para isso: nemawashi.

Ou seja: decida lentamente, se possível, por consenso, depois de analisar todos os ângulos. Mas depois implemente rápido.

Produtividade não é agir correndo de uma lado para o outro, que nem uma barata tonta. Produtividade é agir de forma mais inteligente. Mais assertiva!

Quando você usa o nemawashi os seus resultados são muito melhores por uma série de motivos:

 

Primeiro: A gente sempre enxerga aquilo que a gente quer ver.

O nome técnico disso em psicologia é viés de confirmação. Quando eu acredito muito numa ideia, de certa forma eu fico meio que cego para os pontos negativos dessa ideia (ou eu minimizo eles). Quando a gente envolve mais pessoas inteligentes na discussão, temos menos chance de cair nesse viés de confirmação que em última instância faz a gente decidir de forma burra.

 

Em segundo lugar: quando a gente envolve mais pessoas na decisão, mais são as chances delas efetivamente executarem bem o plano de ação.

Elas se sentem donas da ideia. Esse é o poder da co-criação. Você engaja mais as pessoas em um propósito.

 

E em terceiro lugar, é claro, eu diminuo a quantidade de retrabalho.

E nós já falamos que isso deve ser abominado por você e sua equipe.

 

Esses são os 3 bons motivos para usar o Nemawashi, mas por favor não se esqueça: é para decidir devagar (se possível, por consenso, analisando todos os ângulos), e depois que decidir, você tem que agir rápido.

 

Quer mais dicas de produtividade e outros assuntos sobre Gestão Estratégica para sua pequena empresa?

 

De 8 a 11 de abril/2019 vai acontecer a MARATONA EMPRESÁRIO NINJA!

 

4 dias diretos de aulas ao vivo para revelar segredos dos bastidores e tirar suas dúvidas sobre todas as áreas de uma empresa com uma gestão realmente eficiente (processos, pessoas, produtividade, vendas etc.).

Para ser avisado quando a Maratona começar, CLIQUE AQUI E ENTRE NO GRUPO DE WHATSAPP

(O grupo está fechado, apenas os administradores podem mandar mensagem, ok? E avisaremos por lá os horários e links das aulas).

Trabalha muito... E o salário, Oh!

Você, como empreendedor, tem a Síndrome do Professor Raimundo?

 

Já vi isso acontecer com Incontáveis empreendedores.

 

Às vezes, são empreendedores com empresas há 5, 10, 20 anos e que recebem um salário muito muito pequeno.

 

É o que a gente chama da Síndrome do Professor Raimundo.

 

Existe o outro extremo: empresários com a Síndrome do Eike Batista, ou seja, a galera sem noção que tira salários absurdamente altos, e isso é até mais prejudicial a curto prazo.

 

Mas quando você, como sócio, tira um salário muito baixo, também tem alguma coisa errada no seu negócio.

 

Isso quer dizer que o seu negócio só sobrevive, só tem algum nível de lucratividade, porque você, dono da empresa, está tirando um salário de fome.

 

A questão aqui não é simplesmente chegar e aumentar seu salário.

 

Se sua retirada é baixa, obviamente é porque os resultados da empresa não estão bons e aumentar uma saída vai prejudicar ainda mais.

 

Mas é inevitável que um dia você chegue ao ponto de pensar: poxa, por quanto tempo mais eu vou ficar trabalhando e batalhando mais do que talvez eu faria se estivesse em um emprego formal, sem ter o retorno financeiro que eu gostaria?

 

É por isso que você precisa CALCULAR O PONTO DE EQUILÍBRIO do seu negócio, que é o mínimo que você precisa faturar para ficar no zero a zero.

 

A ideia é que você faça uma simulação.

Exemplo:

 

Hoje eu tenho X de custo de estrutura e meu salário é Y.

Mas eu considero que um salário justo para mim seria de Y x 4

Para conseguir tirar Y x 4, quanto eu tenho que faturar?

 

É importante ter esse tipo de visão e não passar anos (talvez até o resto da vida) tocando um negócio com um salário menor do que de um funcionário padrão.

 

Ao mesmo tempo, não adianta sair aumentando seu salário sem entender que nível de resultado você precisa alcançar para ter satisfação como empresário.

 

Combinado? Então...

CLIQUE AQUI para aprender como fazer o cálculo do PONTO DE EQUILÍBRIO DA SUA EMPRESA!

Vamos nos conectar?
Newsletter
Deixe seu e-mail aqui e comece a receber dicas e novidades exclusivas!
© 2022 4blue | Desenvolvido por Fresh Lab Agência de Marketing Digital
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram