Todo negócio precisa lucrar mais.

E todo empresário precisa sempre estar focado em lucrar mais.

Essencialmente, para lucrar mais, o negócio precisa faturar mais ou gastar menos.

E uma das formas de fazer isso é sendo mais produtivo no seu negócio.

SER PRODUTIVO NO SEU NEGÓCIO SIGNIFICA VOCÊ FAZER MAIS COM MENOS.

E você não conseguirá fazer isso se não adotar a regra básica da produtividade.

Aquela história de fazer limonada com os limões que a vida dá, sabe?

Acontece que todo empresário sempre tem muitos limões e geralmente faz malabarismo com eles.

São centenas de limões pra gerenciar todos os dias, ou seja, centenas de atividades que ele tem que pensar em fazer e, por isso, não consegue ser produtivo.

NÃO DÁ PRA AGIR EFETIVAMENTE QUANDO SEU FOCO ESTÁ NO AR, NAS COISAS QUE VOCÊ NÃO PODE ESQUECER DE FAZER

É praticamente impossível pensar claramente e agir de outra forma quando você tem todos os pontos da sua empresa nos ares, focando sua atenção apenas em não deixar nenhum deles cair no chão.

Enquanto você estiver fazendo malabarismo, você não conseguir fazer seu trabalho de maneira produtiva.

E quando você não é produtivo, você tende a não conseguir aumentar o faturamento, nem consegue reduzir custos.

Uma dica que aprendemos e aplicamos aqui é: CRIE UMA LISTA DE AFAZERES.

Parece uma dica muito básica, muito óbvia, mas tem muita gente que não faz e nem sabe como isso ajuda!

Já deve ter acontecido com você de, por exemplo, na hora do banho e fazendo malabares mentais, lembrar que precisa pagar uma conta. Mas na hora que sai do banho, já esqueceu.

Daí, quando você volta pra sua rotina, essa bolinha do malabarismo mental pula de novo na sua frente e, novamente, você lembra que tem que pagar a conta. Mas, outra coisa pula na sua frente rapidamente e você esquece mais uma vez.

Isso acontece quando você não tem uma boa organização de atividades e, por isso, fica guardando essas coisas na cabeça, porque você sabe que elas são importantes e você não deve esquecer dela.

Mas quando isso acontece, você não foca nem no que você precisa e nem realiza uma ação efetiva para aquilo ser executado.

Vira uma PREOCUPAÇÃO que, no fim das contas, vai contribuir para aumentar seu estresse.

Tira da sua cabeça e coloca num papel, em um software, bloco de notas, sei lá…

Ao invés de pensar, registre a tarefa que precisa ser importante e, só de fazer isso, você terá menos UM LIMÃO no seu dia para administrar. Na hora certa, aquela tarefa será executada e você não precisará se preocupar com isso fora da hora.

É uma dica muito simples de produtividade e que funciona a curto prazo.

Pare de querer fazer várias atividades de cada vez e isso fará você ser mais produtivo dentro do seu dia a dia e dentro do seu negócio.

Cheque Especial é uma das piores coisas num banco para o seu cliente.

Seja para Pessoa Física, seja Pessoa Jurídica, seja o cachorro que tem uma conta no banco, não importa.

Cheque especial é uma das maiores tragédias e as pessoas acham que não.

Muitas vezes, acha-se que o cheque especial é a salvação do tipo: “Deus, eu estou sem dinheiro para pagar essa conta, ainda bem que eu tenho cheque especial”.

Se você já usou o cheque especial pensando dessa forma, pensa comigo: valeu a pena?

Quanto tempo você demorou para sair do cheque especial? (se é que você saiu).

Qual foi o custo real disso? - Ou seja, os juros que você pagou para entrar e usar o cheque especial.

O cheque especial é um bicho maligno, realmente.

Nada mais é do que um empréstimo

E pela facilidade disponível para qualquer um conseguir, por estar ali na sua conta corrente e você conseguir tirar o dinheiro sem precisar falar com gerente nem nada, o custo futuro dele fica escondido (mas é alto, realmente alto).

“Mas eu preciso de cheque especial, se não fosse o cheque especial, eu não ia conseguir pagar determinado fornecedor, ou determinada conta”...

O ponto é: se você não tivesse o cheque especial, você daria um jeito.

Se você tem R$ 1.000,00 de limite, você usa R$ 1.000,00 de limite.

Se você tem R$ 5.000,00 de limite no cheque especial, você vai usar R$ 5.000,00.

O ponto está na gestão do dinheiro.

Se você quiser fazer um teste, faça o seguinte:

Pegue R$ 200,00 coloque na carteira e veja quanto tempo dura esse dinheiro lá.

Você vai  numa padaria ali, você vai comprar um doce aqui, você vai fazer não sei o que ali… só que, se você não tivesse esses R$ 200,00, não teria comprado nada disso.

Os bancos foram extremamente inteligentes.

O cheque especial foi feito para ser algo fácil e, às vezes, muita gente usa sem ver porque não confere lá na conta corrente se tem dinheiro ou não.

Simplesmente usa, usa, usa e quando cai no cheque especial, nem percebe.

RESUMINDO: NÃO USE.

Não use cheque especial. Nem um pouquinho. Nem se for caso de vida ou morte.

“Ah... mas é muito difícil”.

Mais difícil ainda é sair dele.

Vai por mim: corte, elimine o cheque especial das suas possibilidades.

Você, como empresário (e como pessoa física também) tem que viver de acordo com a sua realidade.

O caminho para você não entrar nesse círculo vicioso que é o cheque especial é a Gestão correta do seu financeiro.

Quem realiza o controle de entradas e saída corretamente…

Quem conhece bem o ponto de equilíbrio do seu negócio…

Quem faz previsão e alimenta seu fundo de emergência JAMAIS precisará usar um cheque especial por 2 motivos:

1 - Você estará preparado para eventualidades

2 - Você saberá exatamente o quanto DÓI no seu bolso pagar pelos juros desse empréstimo disfarçado de benefício.

Se você não usa cheque especial, NÃO USE.

Se você caiu na cilada, comece agora a se organizar para sair dele. E conte com a 4blue para isso =)

Respiração boca a boca salva. Mas com marketing é outra história.

A maior parte dos seus clientes hoje vem do boca a boca?

 

Pense um pouco sobre isso e responda.

 

Se a sua resposta foi SIM, você tem um problema.

É óbvio que é bom que seus clientes recomendem seus produtos e serviços. Sem dúvida.

Isso significa que você está fazendo seu trabalho bem e seus clientes estão satisfeitos, por isso indicam seu negócio.

 

O que você precisa prestar atenção é se a MAIOR PARTE dos seus clientes vem do boca a boca…

Pois isso significa que você está terceirizando o seu marketing para os seus clientes.

 

Pensa comigo…

 

Imagine que 80% das suas vendas dependem da indicação de outra pessoa.

E um primeiro momento, vai parecer que isso é algo bom!

Só que, na verdade, demonstra uma falha grande no seu marketing, ou seja, que ele não está ativo.

Terceirizar seu marketing é confiar que outras pessoas, que não fazem parte da sua equipe, não conhecem suas metas (e, claro, que você não pode exigir resultados deles) farão o necessário para que você tenha dinheiro no fim do mês.

Boca a boca não salva nenhuma empresa.

QUEM TEM QUE VENDER SEU NEGÓCIO É VOCÊ.

Você é quem precisa ter o controle de ações claras que trarão novos clientes.

Ter um indicador de recomendação é ótimo, mas isso deve ser um bônus e não sua principal estratégia de marketing.

 

Veja no nosso caso…

 

Você chegou até o canal da 4blue sem indicação de amigos (um ou outro até acontece, mas não é a realidade com a maioria).

Provavelmente, você foi impactado com uma busca no Google (onde o assunto que você estava procurando apareceu dentro do nosso blog), por um vídeo no Youtube, ou por um anúncio no Facebook ou Instagram.

 

Isso é ser ativo no Marketing.

 

E tudo bem se você indicar a gente para alguém que você conhece porque viu que nosso conteúdo tem valor. A gente vai gostar =)

Consideramos isso um indicador de sucesso, mas não contamos com isso para pagar nossas contas, entendeu?

Nenhuma empresa cresce tanto apenas dependendo do boca a boca.

É preciso ter ações e estratégias claras inclusive com o seu marketing.

Reforço aqui: o boca a boca é importante, é muito bom... mas o responsável pelo marketing da sua empresa É VOCÊ, não seus clientes.

Como fazer um marketing ativo?

 

Durante a MARATONA EMPRESÁRIO NINJA - de 8 a 11 de abril de 2019, teremos um dia específico para falar sobre marketing e vendas.

Você vai aprender um pouco mais sobre como utilizar o marketing ativamente a seu favor e quais ações você pode promover para atrair mais clientes para o seu negócio.

 

CLIQUE AQUI para entrar no grupo de whatsapp e PARTICIPE DA MARATONA EMPRESÁRIO NINJA.

 

Serão 4 aulas ao vivo, de segunda a quinta, às 14h com reprise às 19h. E apenas quem estiver dentro desse grupo terá acesso às aulas com tira dúvidas ao vivo.

Este é um grupo fechado, apenas os administradores comentam. E é por lá que você saberá sobre as aulas das maratonas e horários de cada aula. Bora lá? CLIQUE AQUI

Falir é o terror de todo Empresário. Mas fechar os olhos pra isso é correr ainda mais risco.

Existem muitas coisas que é melhor fazer de olhos fechados (como meditação, beijar, dormir e etc)...

Em outros casos, é fundamental estar de olhos abertos (para andar, dirigir, descer uma correnteza com duas crianças em um caiaque etc.)

Você pode estar pensando:

"O que diabos isso tem a ver com minha empresa?"

Bem.... na verdade, eu quero saber como você está gerindo a sua empresa: de olhos abertos ou fechados?

(Isso é, metaforicamente falando)

Você enxerga o que realmente acontece com seu negócio?

Pra onde você está indo?

Seus funcionários estão felizes?

Qual foi seu lucro?

Quais são seus planos de 6, 12 ou 18 meses?

Parecem perguntas pouco práticas, mas na verdade, sem esse PENSAMENTO ESTRATÉGICO, você pode ser pego de surpresa.

Mais do que não fechar os olhos, é essencial QUERER VER os rumos que sua empresa pode pegar.

A 4blue vem crescendo muito ano após anos. E em nosso último planejamento estratégico, fizemos atividades pensando em como seria nossa empresa em 2024.

Imaginamos tanto de como crescer ainda mais...

E também, o que faria nos faria quebrar.

Foi revelador ver que alguns pontos cruciais aparentemente distantes poderiam nos alcançar se não tomássemos algumas providências.

Por exemplo, se não tivermos um time engajado, talvez gastaremos um recurso não previsto com mais contratações, treinamentos...

Se não olharmos pro sucesso do cliente, talvez nosso produto se torne obsoleto...

São coisas que precisam ser vista e corrigidas o quanto antes... porque quando a água bate, pode ser tarde demais.

Mesmo com nossa empresa crescendo ano após ano, nos preocupamos em saber como continuar fazendo ela crescer.

Estamos sempre com olhos abertos para oportunidades e ameaças.

E estamos nos preparando para cada uma delas.

É isso que faz a nossa empresa ir mais longe.

INFELIZMENTE, VEMOS MUITOS EMPRESÁRIOS FECHANDO OS OLHOS PARA SEUS NEGÓCIOS.

Acordam cedo, dormem tarde, não tiram férias.

Trabalham MUITO DURO, mas trabalham para aquele único dia.

Para resolver problemas pontuais, coisas imediatas, apagar incêndios...

Sem pensar no amanhã. Sem pensar no ano seguinte.

E como empresários (e pessoa física, também) precisamos ir além.

Precisamos PLANEJAR o que fazer.

Lembre-se da seguinte frase (se puder, anote e deixe próximo ao seu computador ou um local que você sempre veja):

Operacional faz uma empresa funcionar; estratégia faz uma empresa crescer.

Agora, pare por um momento e analise: você está mais focado em qual tipo de atividade?

Talvez seja o momento de parar e melhorar seus processos, seu marketing, sua gestão como um todo.

Um trend muito forte da atualidade é sobre como trabalhar com a sua paixão, como encontrar sua missão etc…

Difícil alguém do empreendedorismo, assim como nós, não ter pensado e estudado muito isso.

Sendo realista, dificilmente todo mundo vai poder viver do que ama de fato, mas pode sim contribuir com coisas à margem da sua paixão:

 

Vamos imaginar no caso do futebol:

Nesse segmento, existe:

-> Comissão técnica de times
-> Juízes
-> Federações de Futebol
-> Preparadores Físicos
-> Dirigentes

Provavelmente, todos esses seriam muito felizes (e ricos) se fossem jogadores, mas eles também pode ser felizes nessas outras posições.

 

No mundo do empreendedorismo há uma crença que só quem estiver alinhado com a sua paixão conseguirá atingir grandes feitos na vida e ter realização profissional gerando impacto no mundo.

Isso seria o equivalente a ser jogador profissional de futebol. Mas...

 

E quando a pessoa não sabe a paixão?

E quando a pessoa tem duas ou mais paixões e não sabe qual seguir?

E quando a pessoa tem uma paixão, mas quando começa a dedicar o dia todo para isso perde a graça?

E quando a pessoa simplesmente tem ambições menores?

 

Se você não sabe sua paixão, procure-a e assim torne-se um empreendedor de sucesso com realização profissional, eles dizem.

Se já sabe a sua paixão, empreenda.

Bom… Assim como no futebol, nem todos vão jogar na linha de frente e nem serão empreendedores - alguns serão colaboradores.

Pensando matematicamente, esta crença da missão/paixão tem o potencial de gerar muitas pessoas infelizes em seus trabalhos.

E essas pessoas são a maioria.

 

Será que a maioria das pessoas não terá satisfação profissional?

Brienne de Tarth (da série Game of Thrones) me gerou um insight que gostaria de compartilhar sobre as pessoas com menos ambições e/ou com várias paixõezinhas no lugar de uma paixãozona.

Brienne é uma cavaleira Para ela, satisfação profissional é seguir um líder em quem ela acredita.

 

Spoiler Alert

Cena em que Brienne jura Lealdade a Catelyn Stark:

[video_player type="youtube" style="4" dimensions="560x315" width="560" height="315" align="center" margin_top="0" margin_bottom="20" ipad_color="black"]aHR0cHM6Ly95b3V0dS5iZS9FbDRXRTVQQUZHcz90PTUwcw==[/video_player]

Durante a série, ela jurou lealdade para Renly Baratheon e depois para Catelyn Stark.
Mesmo depois da morte de seus mestres, ela manteve os juramentos até completar suas missões.


“Brienne:

- Eu serei seu escudo...
Eu darei minha vida pela sua se necessário.
Eu juro pelos deuses antigos e também pelos novos.

Catelyn Stark:
- Você sempre terá um espaço em minha mesa
E eu nunca pedirei algo que a desonre
Eu juro pelos deuses antigos e também pelos novos.”

Enquanto o lorde cuidasse do cavaleiro, o cavaleiro estaria pronto para dar a vida pelo lorde.


E isso foi capaz de gerar satisfação na vida dos cavaleiros e os recursos que os lordes queriam para buscar seus objetivos.


Hoje, o falso glamour do empreendedorismo faz com que todos queiram ser lordes.

Até mesmo aqueles que tem um talento excepcional para cavaleiro, criando uma profunda insatisfação.

Hoje, as disputas são travadas com informação, não espadas, e por isso os cavaleiros têm mais condições de entender se o Lorde realmente sempre terá um espaço na mesa disponível, como foi jurado.

 

E, da mesma forma que um técnico de futebol que se importa mais com os fãs do que com os atletas nunca vai vencer um campeonato, os lordes de hoje falham em cuidar dos seus cavaleiros focando conquistas de curto prazo.

O único jeito de transformar um reinado em uma dinastia é estar cercado de cavaleiros e aliados em que se possa confiar totalmente.

Empresas contratam consultorias para fazer pesquisas de clima organizacional e medir a felicidade de seus funcionários, isso é tão efetivo quanto um pai pedir para o vizinho mandar um email para o seu filho dizendo:

“Você é parte importante da sua família, seu pai pediu para eu ver com você o que ele pode fazer para você ser mais feliz”

 

A pesquisa de clima organizacional foi contratada porque ouviu-se dizer que funcionários felizes geram mais lucro, não porque o Diretor se importa com a felicidade do Gerente, que se importa com a felicidade do supervisor, que se importa com a felicidade do funcionário.

 

Dessa forma, dificilmente ela vai realmente tornar os funcionários mais felizes de forma perene.

 

Quando alguém realmente se importa, vem falar pessoal e diretamente com você.

 

(Nada contra o lucro, muito pelo contrário.

Somente um manifesto a favor de empresas feitas de pessoas, para pessoas.)

 

Um excelente cavaleiro precisa de três coisas:

-> Treinamento para o Campo de Batalha:

-> Experiência no Campo de Batalha:

-> Um lorde que cumpra seu juramento ao cavaleiro:

 

Eu fui treinado pelos melhores espadachins do meu reino.

Eu tive experiências no campo de batalha cedo.

E em alguns períodos da minha vida, já estive disposto a dar a minha vida pela vida do meu lorde... até que..

 

Quero contar um Conto de um Reino não tão distante...


Era uma vez o Lorde das Batatas de um reino da qual eu fui convidado a participar.

Ele dizia que sua missão era plantar as melhores batatas do mundo para que as pessoas se deliciarem.

 

Eu pessoalmente não tenho uma missão, mas a missão do lorde das batatas era nobre e eu me sentiria completo em ajudá-lo com os tubérculos.

O tempo passou e no dia-a-dia o Lorde das Batatas nunca me ofereceu uma mísera batata…

Nem cozida, nem frita, nem purê, nem recheada.

Nem para mim, nem para outros cavaleiros do reino das batatas.

Ele parecia cuidar muito de seus clientes... ops, dos seus súditos... eu adorava isso nele;

Mas depois de um tempo, comecei a perceber que ele na verdade não se importava com o súdito em si, e sim que fizesse de tudo para que ele voltasse a comprar mais batata.

 

Eu - ou outro cavaleiro qualquer - não tenho vontade nenhuma de dar minha vida por alguém que não cumpre a missão que clama ter.

Eu não tenho nada contra lucrar, mas se for para ganhar dinheiro com batatas, eu mesmo planto e vendo.

 

Por que vou me esforçar para desenvolver a melhor batata só para enriquecer outra pessoa que não admiro e que não vai nem me oferecer umas batatas?

 

O QUERO DIZER COM ISSO?

 

O Google prega inovação.

Lá existe a política dos 20%:

20% do tempo os funcionários do Google podem trabalhar no que acreditam que vai melhorar o Google e, se eles tiverem sucesso em suas criações, serão remunerados de acordo.

 

A grande maioria dos funcionários do Google não inventa coisas novas nesse tempo…

Eles são cavaleiros, não são lordes.

Mas o simples fato de isso existir, diz para esses cavaleiros:

“Na mesa do Lorde Google, sempre haverá um espaço para vocês”

 

É isso que um cavaleiro precisa para dar a vida pelo seu Lorde.

Google não foi o primeiro mecanismo de busca que a internet, viu?!
Mas o Lorde Sergey Brinn e o Lorde Larry Page criaram um ambiente onde seus cavaleiros puderam ser melhor que todos os outros reinados de Buscadores, mesmo na desvantagem.

Esse é um dos motivos do Reinado do Google ser uma Dinastia.

O que você tem oferecido (e cumprido) para gerar um sentimento de lealdade nos cavaleiros do seu reino?

 

Martin Stachera - Equipe 4blue

Como incentivar corretamente sua equipe a crescer.

 

O que uma criança, um cachorro e um funcionário tem em comum?

 

(Vou usar uma metáfora para esse tema e peço que isso não seja visto como algo ofensivo, ok?)

 

O comportamento de uma criança ou de um cachorro está atrelado diretamente à educação que ele recebe.

Quem tem filho sabe como é…

Principalmente quando estão no começo da vida, eles testam limites.

Se você não for firme, provavelmente terá uma criança que não se comporta bem ou que será difícil de controlar.

 

A mesma coisa com bichinhos de estimação.

 

Eles só passam a entender exatamente o que queremos deles quando somos incisivos.

Às vezes cansa porque temos levar a persistência ao extremo. Mas se você desistir no meio do caminho, já era. Ele será o dono da casa e vai dominar o seu sofá.

 

O que eu quis dizer com isso?

 

Seres vivos adotam padrões de comportamento de acordo com estímulos e incentivos recebidos.

Assim como educar uma criança ou um cachorro exige sua atenção ao tipos de incentivos que você oferece, para educar um funcionário dentro de sua empresa não é diferente.

 

Sem estimular e oferecer incentivos corretos, é muito provável que ele jamais coopere da maneira como você deseja.

 

A questão que eu quero que você preste atenção aqui é:

 

Se você, que é dono da empresa, não respeita o próprio dinheiro, como você espera que seu funcionário vá respeitar o dinheiro que nem é dele?

Se ele vê que você, como dono da empresa, desperdiça recursos, não tem controle financeiro, não sabe direito o que acontece, o funcionário não terá o cuidado e atenção que você  gostaria porque ele sente que o próprio dono não respeita o negócio.

 

E tudo aquilo que fazemos ou deixamos de fazer cria uma CULTURA, seja para o seu filho, para seu cachorro ou seu funcionário.

Quando você respeita seu dinheiro, economiza recursos, atende bem um cliente, você está criando uma cultura dentro da sua empresa.

 

As coisas que deixamos de fazer também influencia nessa cultura.

Quando um funcionário falta e o outro vê que ninguém faz nada a respeito, a sua “inação” também impacta no sua cultura empresarial.

 

Pare para pensar no que você tem feito ou deixado de fazer hoje da sua empresa.

Em como suas condutas podem estar afetando seus funcionários, tanto para o bem quanto para o mal.

Às vezes, você está mal educando seu funcionário sem perceber.

 

Se você quer que sua equipe seja comprometida com seu negócio, mude padrões, condutas e estímulos que farão seus colaboradores mudarem também a forma como eles reagem dentro da sua empresa.

Seus funcionários são um dos seus ativos mais valiosos.  E quanto mais eles estiverem alinhados a sua cultura, mais valioso será o seu negócio.

Por mais que você seja apaixonado pela sua empresa, ninguém vive só de sentimentos. Você, como dono do negócio, precisa ter um salário.

Se você tem um empresa, mesmo que esteja começando, o correto é que estabeleça claramente qual é a sua remuneração e faça um plano de ações para ter acesso a ela.

Isso ajuda a não cair em uma das armadilhas mais comuns entre os pequenos empresários: juntar finanças pessoais com as finanças da empresa, o que leva muitos negócios a fecharem as portas em poucos anos de vida.

Aqui vou listar 3 formas de remuneração que podem ser aplicadas no seu negócio, mesmo para quem ainda está começando.

1 - REMUNERAÇÃO FIXA

 

Não existe um método ou valor médio de mercado para estabelecer o salário de sócios ou donos de mercado. Varia muito de empresa para empresa e depende do contexto em que você está vivendo.

Se sua empresa tem 3 meses de vida e você já está tirando R$ 1000,00 por mês, isso é ótimo.Se a empresa já tem vários anos e o dono só consegue tirar milão por mês, é pouco.

Para chegar no valor da sua realidade, você precisa colocar na balança o quanto você, pessoa física, precisa ganhar, e o quanto sua empresa pode pagar de maneira saudável…

 

Mas peraí… tem mais.

 

Na verdade, essa balança precisa ser um tanto desequilibrada e sempre pesar mais pro lado da EMPRESA. Não adianta você querer tirar R$ 10 mil se a empresa não pode pagar nem R$ 5 mil.

 

E aí, quando a empresa não pode pagar o salário que eu preciso?

Não tem milagre.

 

Você, como dono, precisa reduzir seu padrão de vida e gerenciar melhor seu dinheiro, pelo menos por um tempo, até que a empresa possa atender suas necessidades.

A regra de ouro para DEFINIR SEU SALÁRIO é sempre com base no BOM SENSO.

 

REMUNERAÇÃO VARIÁVEL 1 - Ganhos por Metas Batidas.

 

Defina uma meta semestral, anual ou mensal (sempre com bom senso) e um valor ou uma % de remuneração sobre a meta batida.

Por exemplo, aqui na 4blue nós temos uma meta anual de faturamento e lucro. Quando batemos a meta, os sócios tiram um salário extra (como se fosse um 13º salário).

 

REMUNERAÇÃO VARIÁVEL 2 - A partir dos Lucros dos Negócios

 

Uma vez por ano, aqui na 4blue, fechamos o ano de janeiro a dezembro e fazemos uma distribuição de lucros.

A regra é clara neste caso também: o bom senso tem sempre que pender pra empresa. Nós distribuímos apenas 30% dos lucros e o restante ficou como capital de giro de e reserva financeira para a empresa.

 

A MAIOR REMUNERAÇÃO DE TODAS

O grande impacto na sua vida pessoal vai acontecer principalmente através da última remuneração, com base nos lucros. Ela potencialmente pode te um grande ganho, mesmo que seu fixo seja baixo durante todo o ano.

Mas para isso, sua empresa precisa saber como ser lucrativa e não focar apenas no faturamento (que são 2 números completamente diferentes).

Lembrando novamente que a retirada de lucros depende muito da situação da empresa.

DEFINIÇÃO CLARA + BOM SENSO = Sucesso financeiro para você e seu negócio.

 

Quer uma ajuda extra para definir o salário dos sócios e não assaltar seu próprio negócio com suas contas pessoais?

Aqui na 4blue temos um passo a passo gratuito para você aprender como separar finanças e fazer a correta análise do seu controle financeiro. CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR

 

Ser um empresário é ser líder de si mesmo e da sua equipe, é gerir bem os processos, os recursos da empresa e, ainda, traçar os próximos passos.

 

Lendo isso, talvez não fique evidente o quanto isso pode ser difícil, se feito sozinho.

E você deve quebrar esse paradigma. Você não está só!

Há um profissional que estudou toda a sua faculdade sobre isso e tem como profissão lhe direcionar à essa prosperidade: o Contador!

 

No entanto, duas coisas podem te atrapalhar ao invés de lhe ajudar:

A 1ª é falta de conhecimento acerca de quais índices são importantes para o seu acompanhamento

E a 2ª é compreensão errada deles!

Portanto, o meu objetivo hoje é lhe apresentar os PRINCIPAIS índices que você DEVE utilizar para basear a sua tomada de decisão e como o seu Contador pode lhe auxiliar nisso!

 

1º - Lucratividade

 

Lucratividade não é lucro.

Mas nem por isso você deve esnobá-lo! (rs)

O objetivo dele não é evidenciar o seu prejuízo ou o seu lucro, mas sim ajudar a compreender se a sua operação é válida ou não.

A Lucratividade é calculada assim:

(Lucro líquido / receita bruta) x 100

E o que isso significa?

Ele lhe fornece em percentual se a sua operação paga os seus custos e despesas (gastos) e ainda gerar lucro.

Por ser um índice, ele é comparável e é uma excelente forma de compreender – sob essa perspectiva – qual o desempenho da sua empresa se comparada com o que é visto no mercado e nos seus concorrentes.

 

2º - Ciclo Financeiro e Operacional

 

Um dos problemas responsáveis pela falência das empresas brasileiras é a falta de capital para financiar a operação.

Em outras palavras, a má gestão da operação.

Seja por falta de capital, seja por compras indevidas de mercadoria, altos prazos de recebimento e baixos prazos para pagamentos dos fornecedores, enfim... tudo isso está relacionado ao modo como você gerencia a sua operação.

Parece ser simples de resolver - basta ter dinheiro em caixa, certo?

Não exatamente. Na prática, para atuar frente à causa-raiz, devemos entender a tríade dos prazos.

São eles:

Prazo Médio de Pagamento (PMP)

Prazo Médio de Recebimento (PMR)

Prazo Médio de Estocagem (PME)

Estes são os responsáveis pelo Ciclo Operacional e Financeiro, que é a referência para diagnosticar a saúde da sua empresa.

Mais do que entender o que eles significam individualmente (o que não será o objetivo aqui), é preciso entender a relação entre eles.

De forma breve, temos:

PMP: tempo médio para o pagamento aos seus fornecedores e parceiros.

PMR: prazo médio que é dado aos seus clientes para pagamento do seu produto e/ou serviço.

PME:  tempo compreendido em dias em que a mercadoria - desde a sua compra à venda - permanece na empresa.

 

O Ciclo Operacional e o Ciclo Financeiro são as conclusões que conseguimos chegar com os dados acima.

O Ciclo Operacional é dado por:

CO = PME + PMR

Como podemos ver acima, é o somatório do tempo que a mercadoria fica dentro da empresa acrescido do tempo médio que o seu cliente lhe paga, completando a sua operação.

Ele nos auxilia a entender como as decisões têm comprometido o caixa e a capacidade de financiar a operação ou não (falaremos mais sobre isso daqui a pouco).

 

Se a empresa só vende à vista, então o ciclo operacional deve ter o mesmo valor que o ciclo financeiro.

E quanto maior o ciclo operacional, mais tempo a empresa leva para gerar capital.

Já o Ciclo Financeiro é calculado assim:

CF = PME + PMR - PMP

Como podemos ver acima, esse é o caminho que o dinheiro percorre dentro da empresa.

 

É o tempo desde a compra da mercadoria, passando pelo recebimento da sua venda e subtraído do prazo que possuído para quitar com os parceiros.

Com ele é possível entender se você precisa pagar os seus fornecedores antes de receber dos seus clientes ou se os próprios recebimentos financiam a sua operação.

 

Simplificando:

 

Quanto menor for o ciclo financeiro, melhor para empresa, pois mais rápido o dinheiro volta para a empresa.

Um Ciclo Financeiro negativo é quando a empresa recebe suas vendas antes de pagar seus fornecedores, assim, a própria operação do negócio se mantém, não necessitando recorrer à capital de terceiros.

No lado inverso, quanto maior o ciclo financeiro, maior será a necessidade de capital de giro para financiar suas operações.

 

3º - Necessidade de Capital de Giro

 

Falar sobre Necessidade de Capital de Giro não é difícil.

Difícil é calcular de forma precisa - se não tivermos todas as informações da empresa organizadas - sendo dado pela fórmula:

NDG = PMR - PMP

 

Como falei mais acima, a empresa DEVE ter sempre capital para que possa manter a sua operação ativa.

E é normal não termos essa ciência no começo da empresa.

Porém, com o passar do tempo, compreendemos que é nada escalável dependermos de capital de empréstimos, financiamentos, do dinheiro emprestado da sua mãe, do seu irmão ou do seu amigo.

Precisamos ter uma gestão que garanta as engrenagens funcionando.

Um dos índices essenciais pra isso acontecer - além dos apresentados acima - é a Necessidade de Capital de Giro.

Ela nos fornece uma compreensão ainda maior se eu estou fomentando a prosperidade ou não da empresa pelo simples fato de que, por mais que eu tenha uma empresa lucrativa, rentável e com boas margens de lucro, ela não necessariamente será saudável.

É o mesmo que dizer que quem pratica atividade física é saudável e não terá colesterol alto. As chances são menores, de fato, mas não implica diretamente nisso.

E é por isso que é importante nos atentarmos para 2 situações:

 

NCG positivo: a empresa possui o capital necessário para financiar a própria operação, significando que ela recebe dos seus clientes anteriores ao prazo para pagar os seus fornecedores!

E isso é ótimo! A cadeia produtiva da empresa ocorre praticamente sozinha.

 

NCG negativo: não há capital disponível para que a operação aconteça. Isso significa que você tem de pagar os seus fornecedores e parceiros antes mesmo de receber.

Ou seja, esses prazos acordados são um risco para a saúde da companhia. E devemos prestar bastante atenção para que não seja necessário buscar esse capital externo e cair em um ciclo vicioso de empréstimos e financiamentos.

 

Conclusão

Compreendendo a lucratividade, sabemos melhor o nosso posicionamento no mercado e se estamos sendo ou não eficientes.

E ao olhar para os dois grandes ciclos presente dentro da sua empresa, você pode visualizar como a operação está tão ligado ao seu sucesso ou insucesso.

Não falando apenas de lucro e rentabilidade, mas principalmente de possuir recursos disponíveis para investimentos estratégicos, para emergências e até mesmo para dar continuidade à operação.

 

E o mais importante disso tudo é saber que VOCÊ PODE PEDIR AJUDA, tanto na compreensão dos termos, como na análise dos seus resultados e em como tomar o caminho certo: sempre que precisar, fale com seu contador.

Todos os índices e MUITOS outros podem ser calculados por meio dos demonstrativos financeiros, que são realizados pelos dados encaminhados ao profissional contábil.  

 

Você JAMAIS estará só, basta saber com quem pode contar!

 

Este post foi escrito por Gabriel Gandra da nossa parceira Nucont.com

Como nós já falamos no nosso Guia Definitivo sobre Fluxo de Caixa, o relatório de fluxo de caixa deve ser o seu braço direito. Junto com esta simples ferramenta você irá analisar e projetar os números da sua empresa e, acima de tudo, tomar melhores decisões.

Mas ainda que você já tenha compreendido a importância desse relatório e tenha lido o nosso post completo, sabemos que às vezes é difícil lembrar de todos os conceitos e elementos que fazem parte desse assunto. Pensando nisso, nós criamos um infográfico com a estrutura correta de um relatório de fluxo de caixa, assim como uma breve explicação sobre cada uma das partes que compõe a sua estrutura. São elas:

Clique aqui ou na imagem abaixo para baixar uma versão em alta qualidade desse infográfico:


infografico-fluxo-de-caixa

Clique aqui para baixar uma versão em alta qualidade desse infográfico

 

Você gostou do nosso Infográfico?

Esse é o primeiro infográficos da 4blue! Se você gostou do resultado final e gostaria de ver mais infográficos como este, deixe um comentário!

Sua opinião é importante para que a gente consiga desenvolver materiais cada vez melhores para ajudar os empreendedores. E qualquer dúvida, estamos a disposição! =)

Clique para compartilhar este conhecimento =]Clique para compartilhar!

Isso é uma das coisas que mais ouvimos. Trabalhar tanto e não ver a cor do dinheiro, ninguém merece né? Mas por que isso acontece? (mais…)

Vamos nos conectar?
Newsletter
Deixe seu e-mail aqui e comece a receber dicas e novidades exclusivas!
© 2022 4blue | Desenvolvido por Fresh Lab Agência de Marketing Digital
linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram